O prejuízo do rebaixamento no Catarinense

Foto: Divulgação/Camboriú FC

Foto: Divulgação/Camboriú FC

Ser rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Catarinense é um prejuízo e tanto, e nem só pelo fato de ficar quase um ano parado sem calendário. Fica muito difícil fechar as contas.

Quem passou por isso no ano passado foi o Camboriú Futebol Clube. Segundo balanço financeiro publicado no site da Federação Catarinense de Futebol, o Tricolor saiu de um superávit de R$ 416 mil em 2013 para um déficit de R$ 55 mil no ano passado.

Só de receita de renda de jogos, a equipe faturou R$ 11,4 mil a menos que na primeira divisão. O prejuízo maior foi ficar sem cota de televisão, lá se foi uma receia de cerca de R$ 240 mil. Uma competição maior, com número muito maior de viagens e para lugares mais longe que na Série A, ajudaram a aumentar ainda mais os gastos com futebol profissional, passando de R$ 209 mil para R$ 452 mil. O estrago nas contas do clube só não foi maior graças aos R$ 200 mil arrecadados com a venda de atletas.

Esse ano o clube planeja gastar um pouco menos do que o ano passado e conseguiu o aumento de alguns patrocínios, mas ainda busca novos parceiros para ter um ano financeiro mais tranquilo. A aposta em Paulo Foiani como treinador, com curto, mas bom currículo, é para buscar o acesso e assim ter um 2016 bem melhor.

Segundona: Menos de mil pagantes na rodada

Foto: Greik Pacheco/Internacional

Foto: Greik Pacheco/Internacional

A rodada do sábado véspera de Eleições não conseguiu chamar a atenção dos torcedores para as partidas do Campeonato Catarinense da Série B. Todas as partidas aconteceram no sábado, com quatro jogos de tarde e um no começo da noite. Porto 0 x 0 Camboriú aconteceu no Módulo Esportivo de Porto União, com portões fechados, já que o estádio não tem permissão de receber público. Em todas as outras partidas, um total de 983 pagantes. Média de 245,75 torcedores nesses confrontos. Um número muito ruim.

Nem mesmo o Internacional de Lages, que recebeu o Concórdia na noite de sábado, conseguiu um público expressivo. Mas foi quem jogou a média para cima: 691 pagantes assistiram a vitória do Colorado da Serra no Tio Vida. Melhor presença de torcida da rodada, mas um dos piores públicos do time lageano. Sem contar a partida com portões fechados, o pior público foi registrado em Palhoça, para Guarani 2 x 4 Hercílio Luz. Apenas 34 pessoas pagaram ingresso para acompanhar o confronto.

Faltando três rodadas para o fim do returno, o que se espera para a rodada deste meio de semana é um aumento no público total da rodada. Não vai ser fácil. Tem mais uma partida no Módulo Esportivo, o Hercílio Luz não tem conseguido atrair bons públicos e o Inter joga fora de casa, assim como o Concórdia. A obrigação de bom público é do líder Camboriú, que recebe o Concórdia, e pode ficar mais perto do título dessa fase.

6ª RODADA DO RETURNO
Canoinhas 1 x 2 Caçadorense – 199 pagantes
Guarani 2 x 4 Hercílio Luz – 34 pagantes
Inter de Lages 1 x 0 Concórdia – 691 pagantes
Porto 0 x 0 Camboriú – portões fechados
Atlético Tubarão 2 x 0 Blumenau – 59 pagantes
Total de pagantes: 983